Abscessos são coleções purulentas que podem ocorrer em toda a região perianal. Muitas vezes esses abscessos estão complicados pela presença de uma fístula, isto é, um trajeto anômalo entre duas superfícies: o revestimento interno do ânus/reto e a pele ao redor.

Ocorrem com maior frequência em homens, com idade próxima aos 40 anos e suas causas não estão bem definidas. Muitas pacientes questionam se má higiene, hábitos intestinais irregulares, relação sexual anal, diabetes ou obesidade podem contribuir para a formação desta doença, porém não há dados que possam confirmar essa associação.

Os sintomas do abscesso incluem: dor anal, vermelhidão, inchaço e muitas vezes saída espontânea de pus. Na presença da fístula, esses episódios se tornam recorrentes e a secreção pode ser contínua por um ou mais orifícios na pele. Alguns pacientes podem evoluir com disseminação da infecção para todo o períneo ou mesmo sepse (infecção generalizada).

O diagnóstico é essencialmente realizado pelo exame físico no próprio consultório. Alguns exames de imagem como ultrassonografia endoanal e ressonância magnética são indicados nos casos mais complicados como aqueles com múltiplos orifícios ou recidivados.

O tratamento do abscesso pode incluir o uso de antibióticos, drenagem local, passagem de drenos e, em alguns casos pertinentes, o tratamento da fístula se esta já estiver identificável.

As fístulas, por sua vez, têm tratamento cirúrgico indicado na grande maioria dos casos. Essa abordagem visa reduzir o risco de infecções graves, manter ao máximo a capacidade de continência anal e reduzir o risco de recidiva. Diversas técnicas cirúrgicas estão disponíveis, porém a eficácia delas depende de uma indicação adequada. As mais comuns são: fistulotomia, passagem de sétons (drenos), uso de plugs ou cola biológica, LIFT (ligadura do trajeto) e retalhos.

Logo, as duas maiores dificuldades no tratamento destas doenças estão em um adequado diagnóstico diferencial (lembrando que doenças como Crohn e infecções incomuns podem ser a causa) e a escolha da melhor abordagem terapêutica, sendo fundamental encontrar um profissional capacitado para esse suporte.